domingo, 20 de novembro de 2011

O vermelho revelador- Um amor entre almas.- parte V




Pedro e eu ficamos felizes com a possibilidade em ter um filho e três meses depois eu estava grávida. Todos os dias eles vinha do trabalho e acariciava a minha barriga com o bebe.
Estávamos felizes como nunca até então eu havia imaginado, sonhado o que é a felicidade.
E um dia eu vi entrar pela porta de minha casa, simples de madeira no meio da selva, o meu pai e dois outros homens todos armados. Eles não me deram escolha, me ameaçaram e me levaram para o seu carro. Pedro voltava do trabalho e correu desesperado ao me ver entrar no carro. Um dos homens atirou  para o alto e Pedro mesmo assim não parou de correr em nossa direção.
- Não se aproxime de minha filha... Eu te mato. – gritou o meu pai.
- Não faça isso pai pelo amor de Deus...
- Mas ela é minha mulher, nos casamos... - disse Pedro desesperado.
- Nunca, ela já é prometida de outro.
Os dois capangas ao lado de meu pai apontaram a arma para ele.
- Pedro não... Eu vou... Mas não quero que te matem...
- Me matar... Não vou ter vida sem você...
Não teve outra escolha e partimos, Pedro estava triste, com a amargura de homem que perdeu tudo. Eu chorei dia e noite sem parar. E meu pai, nem mesmo se importou.
Voltei para a minha casa, e lá fiquei sabendo que eu me casaria com um deputado
- Mas pai...
- Não me faça perder a cabeça...
- Tudo bem, eu caso, mas me prometa que não vai fazer mal algum a Pedro.
Meu pai prometeu e mesmo na dor na terrível dor de estar longe de Pedro eu fiquei mais aliviada por ele não correr risco de vida.
Não contei a ninguém sobre a minha gravidez e finalmente conheci o tal deputado. Bem mais velho do que eu.
Rapidamente nos casamos e um mês depois a barriga começou a aparecer. O velho maldito Deputado se irritou e quis tirar o meu filho. E entre o meu filho, Pedro e esse verme do deputado, eu não tive duvida. O matei.