quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

O devorador do parque. - parte I

- Há treze anos que a bosta desse parque não funciona! Desde que uns morreram misteriosamente .- Disse com desprezo Leonardo.
- Que merda!- sussurrou Evelin e como a todos ali olhava para o parque. Era uma dessas  noite claras e bastante quente. Coisas rara na cidade de São Paulo.
-  Como sabe disso?- perguntou Marcos.
Leonardo olhou  o parque, tinha no olhar um ódio que não entendia
- O meu pai trabalhou nessa bosta! Eu me lembro de alguma imagens de pessoas correndo quando acharam um corpo no trem fantasma. Parecem que mataram o cara lá dentro. Depois dessa morte o parque fechou, e esta embargado porque tem briga com a família proprietária. Essas merdas de herança!
- Mas isso é passado! O importante é que aqui da pra gente fazer o nossa festa nessa lataria veia!.- disse Mia.
Todos concordaram. Tomaram mais uma cerveja e começaram a andar pelo parque.
-Não vai dar  zica com os homens, fazer o super concerto de metal aqui.
- Melhor, Marcos, ai se os cara vierem a gente quebra o pau e a noite fica completa.
Todos concordaram.
- Ei vamos entrar nessa casa mal assombrada!- disse Mia.
- Ta escuro.- disse Evelin.
- Ihhhh. Amarelou Evelin.- sarrou Marcos.
Todos riram. Evelin, recuou de seu medo e topou. Entraram naquela casa mal assombrada caindo aos pedaços.
-  E porque a gente não caminha na montanha russa depois sem os carrinhos. Eu sempre tive vontade de passar por aqueles trilhos! E ai vamos! - disse Mia.
Marcos recuou.
- Eu não vou não! Eu  tenho medo de altura.
- Ihh! amarelou.
Todos riram sem perceber que abaixo do piso da casa assombrada olhos atentos os observavam pelas frestas. Ao entrarem naquela casa de fantasia do medo haviam acordado o seu dono. O dono de todo o parque.
- Ei vocês já transaram num lugar assim? Deve dar um tes...
- Mia, nem inventa! Você tá cheia de lêlê, hoje! Ehmem.
Derrepente os seus olhos tomaram atenção do mundo . Algo havia caído, assustando a todos naquela escuridão.  Marcos rapidamente acendeu o seu celular, assim como Leonardo.
- Isso aqui tá caindo, vamos sair! - disse assustada. Evelin.
Todos concordaram. Afinal era medo apenas de um acidente sério caso aquela casa mal assombrada montada para dar medo, caísse realmente sobre as suas cabeças.