terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

O devorador do parque.- parte - VI

Leonardo, olhou para o parque com medo de algum ataque daquela criatura. Ouviu um estalo de algo  no silêncio daquelas coisas paradas e correu, correu para a montanha russa e escalou sob os trilhos. Bufou de cansaço e sentou-se no pico mais alto. Sentiu-se seguro ali porque pode ver todo o parque e se algo se movesse, estaria na mira de seus olhos.  O medo começou a seder lugar para o ódio. O ódio mortal daquela maldita criatura que matou os seus melhores amigos e também poderia incrimina-lo de ter matado os amigos. Não,  ninguém acreditaria na existência daquela criatura. Teria que pegar aquela criatura, matar a maldita. E então poderia ir embora do parque e destruir aquele inferno de matança. Olhou para o céu e ele ia se clareando, anunciando o dia e trouxe  também alguns urubus. Ave que convive  entre nós e nunca as olhamos com simpatia.
Os urubus tomaram a atenção de  Leonardo, no começo eram um, dois, três, planando com a sua cor negra do destino cruel de comer carniça, realçando sob o céu alaranjado. E em questão de minutos já eram dezenas, planando em circulo sob o parque.
Leonardo se levantou quando os viu, um a um numa maldita sincronia mergulharem em direção ao brinquedo onde o monstro fazia a sua morada.
   - Não é possivel que essas malditas aves, comeram os corpos de meus amigos. Que merda! Meu Deus!
O dia clareo de vez um sol mais intenso e  iludindo  desfazer as trevas do parque. Leonardo desceu da montanha russa e correu para o brinquedo viu a última ave negra descer e entrar por um respiro do brinquedo atravez de um porão, onde o cheiro de carne quente e podre exalava para metros afora.